sábado, 17 de abril de 2010

O errado pode ser certo pra mim desde que eu ache conveniente.

Segundas chances pra mim não importam... as pessoas nunca mudam.

Não quero ficar lutando nessa batalha que eu já perdi... mudei. Mudei de idéia, mudei de indole, só não mudei meu orgulho.

Pode levar tudo de mim... só não pode levar meu orgulho... dessa vez não.
Eu costumava me conhecer tão bem....

Como cheguei aqui? Eu acho que sei.

A verdade está comigo, pendurada na minha lingua, como uma ferida em minha boca que quer jorrar por entre meus dentes, mas vou segura-la até o fim.

Olhando para trás.... eu vejo o que eu fiz... eu me fiz de idiota esse tempo todo.
Mas essa não é a verdade.

Não quero ficar revirando meu baú negro de memórias, já esta empoeirado e não quero espirrar.
Esqueci o que tem dentro dele, mas ainda sei onde encontra-lo.
Eu idealizo: "Eu não quero mais" ; meus pensamentos você não pode ler. Não se esqueça.

Não é minha intenção correr, mas quanto mais me aproximo da porta... sinto mais vida que nunca.

Posso fazer minhas próprias decisões:
Eu nunca quis algo tão intensamente... nunca quis algo tão longe.

"Cleck" - Alguém esta abrindo meu baú... encontraram... acho melhor eu sair antes que queiram e mostrar aquilo que menti que perdi.

Posso sentir a pressão... está se aproximando... acho que tudo ficará melhor... sem mim.

Como eu ia saber que o que eu cravei na pedra seria tão temporário? Não me pergunte pra onde vou.... eu não sei e quero que se foda.

E escrevo só para constar que estou bem... não vou dizer que estou triste em partir... porque não estou.

Observe tudo o que eu queria acontecer agora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos gratos pelo seu comentário, comente sempre, isso nos ajuda a saber nosso progresso na escrita.

Obrigado