sexta-feira, 4 de junho de 2010

Estragando a minha vida



Em um habitat não propício a minha reprodução
Um habitat não propício a minha alegria
Nenhum pouco propício a minha diversão
Aqui eu não me situo, eu me entendo por mim

Eu tento estar aqui
Eu tento me entender por outros
Mas aqui eu não estou
Eu viajo e saio do meu ser

Sou mais uma entre muitos
Nem sei o que significa ser
Eu apenas estou, sempre e sempre
Um faz de conta não existe

Ele agora é um por exemplo
Cavalos brancos não existem
Príncipes encantados não existem
Escola perfeita não existe

Estrago a minha vida pensando assim
Sei disso, mas estrago a minha vida
A justiça não existe
E todos que se oporem a isso morrerão

Eu me oponho
Sorriso tristonho
Amante imperfeito
E a monogamia não existe

A morte é a salvação
Mas apenas aos fracos
Os forte se amedrontam
E tomam coragem

Engolem a coragem
E enfrentam o que vier
Eu não sou corajosa
Eu tenho a coragem

E assim eu não estrago a minha vida
Eu luto contra o mal
Corro atrás da justiça
Agora consigo ouvir o som dos passarinhos




By @ecumeno

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Assédio




Você entra no ônibus e sabe que tem que escolher sentar ao lado da pessoa que você
menos desconfia, julgando-a apenas pelo seu rosto, roupa, olhar e atitude(se tiver alguma), mas
e quando você é o primeiro a sentar?
Então nesse caso virá alguém se sentar ao seu lado, e esse alguém pode ser de 1 milhão de jeitos diferentes.
Hoje veio um tarado tentando te assediar, é isso mesmo um homem sujo e tarado, só mais um
que acha que o seu órgão reprodutor tem que ser de todos.
Odeio os homens!