quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Ela quer que eu me deprima


Eu nunca durmo na casa de ninguém
E nunca ninguém dorme aqui também
Dentro de casa tenho que ser adulta
Mas não posso adquirir na rua uma boa conduta

Tento me conter, não explodir e ser do bem
Consigo, até o momento que não aguento e vou além
Eu xingo, grito, as vezes sai um filho da puta
E mandam eu me calar e ir lavar minha boca suja

Agora se eu houvesse vingado "macho" seria diferente
Todos me mandariam ir transar, felizes e contentes
Pior que é verdade, eu não teria que lavar louça
Infelizmente algo deu errado e eu nasci moça

Eu faço tudo pior do que todo mundo
E vivo por culpa minha em um quarto imundo
Já que a minha preguiça não me deixa ganhar
Eu me ponho em tudo, todas as vezes a fraquejar

São palavras da minha mãe, não são minhas
As vezes acho que ela tenta me armar uma armadilha
Para que eu me prenda em mim e me deprima
Nessas horas que eu me olho no espelho e grito: Não se reprima



by @emudado (Jessica Mota)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos gratos pelo seu comentário, comente sempre, isso nos ajuda a saber nosso progresso na escrita.

Obrigado