domingo, 29 de abril de 2012

3 dias sem escrever

Querida N.P,

Esse tempo todo sem ter você em minha escrita está me deixando maluca e eu não só acho como tenho por comprovado. Ontem sonhei com você, durante 62 cartas eu não sonhei contigo nem por uma noite, ou ao menos não me lembro, mas é só lermos todas as cartas que tiramos a prova real. O fato é que ontem sonhei... No sonho estávamos em um lugar que não sei onde, mas foi em frente a uma máquina que tu colocastes a mão pelo meu corpo, passastes sua mão carinhosamente em mim, me segurou pelas cintura e me pagou uma bisnaga. Sonho louco né, deveria ter me pago uma cerveja que seria mais emocionante, eu sei, e quando estávamos andando em direção à uma sala com a luz baixa... Minha mãe gritou: Jessicaaaaaaa, seu despertador está tocando. E infelizmente já era a hora de eu acordar. Ou felizmente.

Com amor,
Jessica Mota
Lembrar de você poderia ser a pior coisa
Mas um beijo seu poderia ser a melhor
Não há mais tempo para sonhar com esse beijo
Agora que aqueles pensamentos descansaram
E você não é alguém que eu mereça

Eu virei às costas para o amor que eu sentia
Eu sigo em frente com um compromisso apenas comigo mesmo
Como aquele amor poderia ser algo bom?
Neste mundo que existe o real e a fantasia
Todo aquele sofrimento foi real para mim

Eu te amei, mas nunca soube quem você é.


João.


quinta-feira, 26 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 62 - Findando-te

Querida N.P,

Hoje andei pela rua com uma das mãos fechadas, não cantei as músicas da rádio em voz alta, muito menos as dublei com alegria. Hoje eu não andei dançando pela calçada, não consegui sentir a música no meu coração, pensei em enterrar rosas para você e pude até sentir tu indo embora de mim...
Não quero ao certo findar-te, só quero botar um fim em algo que já me cansou. Não aguento mais dar tanta atenção à esta paixão. Não aguento chegar em casa todos os dias e dar preferência as minhas cartas para você. Eu não aguento mais passar o dia inteiro pensando no que escrever, não aguento ter várias ideias, não aguento esquecer minhas ideias, não aguento não ter ideias. Não aguento. não aguento, eu não aguento mais. Quero gritar, quero me jogar para fora dessa paixão, quero fugir, quero ir pra onde ninguém possa me encontrar, pra onde ninguém possa me perguntar sobre esse amor. Não quero mais falar disso, não quero mais mostrar o quanto é bonito, pois de que adianta ser tão lindo? De que adianta? Me diz por favor de que adianta tudo isso? Não adianta mais de nada, confesso que adiantou, confesso que eu aprendi, mas não aprendo mais, não entendo mais qual é o sentido de continuar com esse projeto, de continuar nesse projeto. Não vejo mais sentido. Não quero mais continuar com isso, não me parece mais tão bonito. Quero que me perdoe por tudo, me perdoe por ter escrito 62 cartas para ti e não 500, me perdoe por ser fraca e não aguentar mais. Perdoe-me. Perdoe-me pela tristeza enterrada nesta carta, perdoe me pelas flores não dadas, pelo carinho contido, pela saudade exagerada e pelo amor preso para todo o sempre dentro de mim. Só espero não sentir tão cedo isso de novo. Espero que fique bem, longe das minhas palavras, eu espero que fique bem. Longe das minhas poesias, eu espero que fique bem. Longe da minha música, eu espero que fique bem. Longe de mim, eu espero que fique bem. Eu espero que fique bem longe do meu coração ou que fique perto de vez.

Com uma triste alegria pelo fim e uma imensa vontade de voltar atrás,
Jessica Mota Fernandes
Jessica Nada Contentes
Jessica Nada Felizes
Jessica Nada Sentistes
Jessica Exagerada Demais
A Jessica só ouve o seu coração quase parar agora.

O texto original foi escrito a lápis para que se apague
Para que se apague um dia
Para que se apague um dia quem sabe
Para, quem sabe, um dia se apague.

Fim

quarta-feira, 25 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 61 - Pré fim

Querida N.P

Deve ser um saco ler essas cartas idiotas né!? Mas quem não gostaria de ser a musa inspiradora de 61 cartas? Eu super curtiria. Porém sinto comunicar-te que elas estão chegando ao fim. O mundo assim quer e como ele é contra o meu amor, farei a vontade dele.

Infelizmente a nossa história não foi como é na música do Biquini Cavadão. Não existe um lugar no tempo que nós estamos juntas, nunca existirá um lugar que ainda estamos juntas e que para sempre ficaremos, pois nunca estivemos...
Eu só espero que tudo fique bem, que a vida nos leve para o lado que havemos de ir. E tomara que fiquemos em paz e que sejamos felizes.

Assim como disse Shakespeare "as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos". Sim, concordo e me responsabilizo pelo fim, digamos desistência, desse projeto.

Desistência é uma palavra a qual eu abomino, mas é isso o que estou fazendo, infelizmente é. Você acha que a desgraça da desistência é o amor? Teria eu uma dificuldade para me adaptar a realidade? Por isso todo esse idealismo? Por isso esse quase ultra-romantismo dentro de mim? Não, não sou ultra-romântica, não quero acabar com tudo isso sendo feliz na morte, não sou burra. Estarei satisfeita um dia com o meu amor e farei do esquecimento deste, o caminho certo e a salvação do próximo.

Desculpe-me pelas frases enroladas,
Jessica Mota

500 cartas para ela - Dia 60 - Ontem

Querida N.P,

Essa carta era para ter sido escrita ontem, mas eu fiquei doente de amor, logo, impossibilitada de escrever para você. Ontem eu escreveria a sua ultima carta, porém só de pensar que seria a ultima, adoeci. Deitei-me as 22 horas, não conseguia ouvir meus pensamentos, não conseguia ouvir nada. Ainda estou um pouco doente, mas faço o possível para lhe escrever, sinto dizer, a próxima carta será a ultima.
Ontem quando fui tomar café, senti que ele estava sem açúcar, o meu croissant estava sem queijo, tudo estava diferente e para pior. Talvez doesse em mim a dor do fim, porém sei que é a coisa certa a se fazer. A minha respiração está ofegante, a minha velocidade está constante, ando sem querer parar, sem saber o meu caminho. Por mais de tudo isso, tento estar calma, tento ser racional. Ainda hoje tomei um Doril. Estou suando quente, não sei o que isso significa. Fique calma, me sinto bem ou ao menos melhor agora.
A parte triste de finalizar o projeto é que não me pagarei sentada em um lugar qualquer escrevendo para você. Não me pegarei pensando no que te escrever. É engraçado, prego peças em mim mesma, em um dia escrevo sobre o quão é ruim algo, o quanto não aguento mais e já no outro dia me sobram lástimas por parar de fazer o que ontem eu já não queria mais.

Perto do fim,
Jessica Mota

segunda-feira, 23 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 59 - Planos

Querida N.P,

Hoje eu estava pensando sobre a vida... Sobre agarrar todas as oportunidades que vêm... Sobre o que planejamos para nós...
Volte à uns dois anos atrás e me diga, você imaginava que hoje estaria onde está? Fazendo o que faz? Eu não me imaginava, eu me imaginava na facul com um outra vida totalmente diferente dessa. E é ai que a gente percebe como a vida é engraçada, o universo tem um plano para nós, as vezes, completamente diferente do plano que temos. Podemos vir a pensar que as coisas deram errado, mas na realidade elas apenas viraram o que tinham que virar. As flores murcharam, outras nasceram, o mundo girou e aqui estamos nós, com saúde e é isso que importa, ou não.
Que seja feita a vontade do universo então, porque se fosse para eu decidir algo, eu levaria a vida inteira e ainda não chegaria a conclusão alguma. Minhas certezas se desfazem com o tempo tal como as minhas palavras desaparecem do papel quando as escrevo com lápis.

Saudades,
Jessica Mota

Crônica de uma maldita noite de outono

Era só mais uma noite de outono
Gelada e deprimida
Jamais pensei que você estaria ali, aquela hora

Passei sem olhar, você estava falando
Eu escutei, mas não havia som

Puxei um folder qualquer, fingi que estava lendo
A arte de fingir que não se importa

Porque tudo deu errado? Eu não queria mais te ver
Um plano perfeito de esquecimento total, ferido por uma aparição inesperada em um corredor

Esqueci do seu rosto, e me permiti de não lembrar de como ele é
Lutei contra minha língua para que ela não exprimisse um "oi", que depois sangrou pela minha boca

Ninguém sabe, ninguém viu... não proferirei seu nome, não lembrarei de você
Uma paixão concluída, sem ter ocorrido e por pouco esquecida
Permito-me poupar-me de mais sofrimento.

Esta foi a crônica de uma maldita noite de outono.


João.


domingo, 22 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 58 - Só um pouco sobre mim

Querida N.P,

Você me conhece bem? E se não conhece tem vontade de conhecer? Bom, eu não tenho muito para contar sobre mim, as coisas mais importantes acho que você já sabe, porém a vida de ninguém é perfeita como na maioria das vezes parece ser. Todos temos problemas, mas essa não é a melhor parte para se falar, nunca é.
Eu tenho 21 anos e sou completamente apaixonada pelas coisas, me apaixono por praticamente tudo e todos, talvez eu realmente seja romântica, como uma vez você me disse. As vezes acho que sou menos do que eu acho que é a Jessica, outras vezes acho que eu poderia ser bem  mais do que acham que sou e do que eu queria ser. Filosofias baratas, é só isso que eu sei fazer. Não me imagino em um futuro próspero e todas as ambições que tenho estão escondidas dentro de mim, as coisas que mais desejo fazer ninguém sabe, e os que vêm a saber me fazem perder a vontade.
...
Eu não tenho esperança nenhuma de ter algo com você, não mais, não acredito que um dia irei te beijar, não creio em ter-te bem próxima a mim, nos meus braços como em apenas por um minuto minha e só minha. A esperança não é a última que morre.

Com amor,
Jessica Mota

sábado, 21 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 57 - Uma carta mal escrita

Querida N.P,

Preciso te ver, meus assuntos acabaram, já não tenho mais sobre o que escrever. Esses dias me deram uma dica sobre as cartas, falaram para eu tentar escrevê-las com menos declarações de amor, mas do que seriam as cartas de amor sem as declarações? E eu nem me declaro tanto né? Mas eu realmente concordo que as declarações me cansam e se já estou cansada o certo é desistir, porém acho que aguento umas cartas a mais, juro que não será forçado ou forçando-me, ainda será de coração, prometo. Pois se algum dia não for mais eu saberei que estará na hora de botar um fim no projeto.
No começo da carta eu disse que precisava te ver, mas mudei de ideia, ou melhor, até preciso só que não quero, não quero te ver, não quero te ver, não quero te ver e repito isso mil vezes em pensamento para tentar me convencer. Ah, já não quero mais me convencer de nada, deixe estar, deixemos acontecer... Mudo de opinião constantemente, em um dia tenho certeza que ainda te quero e no outro já não te quero mais.

Desculpe-me pela carta mal escrita,
Jessica Mota

sexta-feira, 20 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 56 - Seu dia

Você sabe o que é amar? Amar não é entrar em um projeto para tentar escrever 500 cartas de amor à alguém, amar é conseguir escrever 500 cartas de amor para alguém. Amar não é escrever 56 cartas para uma unica pessoa, amar é conseguir continuar amando essa pessoa mesmo depois de ter escrito 56 cartas sabendo que o seu amor não é correspondido. Amar não é ter medo de desistir do projeto, amar é ter coragem de dizer que não aguenta mais escrever sobre seus lindos sentimentos, amar é depois de tudo isso, não sentir raiva de você, nem mágoa. Amar é continuar te encarando, te encontrando, sorrindo para você, sendo sincera com você. Amar é basicamente sentir o arrepio que eu sinto ao te ver, aquela tristeza que sinto ao me despedir de ti, aquele carinho ao te abraçar, aquela vontade de fazer o tempo parar, aquele desejo de dar replay em alguns momentos, aquele anseio de pausar no seu sorriso. Amar é pensar em alguém antes de dormir e continuar pensando nessa pessoa o resto do dia, é encontrar o ser amado, matar a saudade e logo depois de um segundo que você disse tchau, já sentir saudades de novo e continuar pensando naquele alguém. Amar é querer fazer uma pessoa feliz e querer ser feliz com ela. Amar é pensar num futuro com a pessoa amada, é pensar em apresentá-la para os seus amigos é querer gritar bem alto que ama esse alguém e que é feliz. Você pode sentir amor, eu posso sentir amor, mas ele pode ser completo ou incompleto. O meu amor é incompleto, ele nunca será completo, não esse amor que sinto por você. Mas ele pode ser eterno, e para eu eternizá-lo só preciso te dizer as seguintes palavras: Eu te amo, te amo com o amor mais puro e do jeito mais bonito que se pode amar, obrigada por me fazer sentir isso, muito obrigada. E não precisa se preocupar comigo, eu ficarei bem.

Querida N.P,

Você é uma pessoa maravilhosa, alguém que eu apresentaria para todos e cada um dos meus amigos. Você é forte, batalhadora, merecedora. Você é real, felizmente você é real. E linda, nossa como você é linda. Você é tão linda que beira a perfeição. Quero te desejar um feliz aniversário, que nessa data você possa ter contato com todas as pessoas que te amam e com todas as pessoas que você ama, que você aproveite esse dia com uma super paz de espírito e com uma grandiosíssima alegria. Te admiro muito senhorita e me preocupo demais com você, se existisse algum jornal para acompanhar a sua vida e os seus sentimentos eu assinaria com certeza. Espero que esteja bem e que fique ainda melhor. Hoje é o seu aniversário, uma data especial, dê uma atenção privilegiada para a sua família, pois afinal eles são as pessoas que dormem na mesma casa que você, só eles sabem se você ronca e se você tem chulé. Dê um super abraço na sua mãe, agradeça o seu pai por tudo e diga para a sua irmã o quanto a ama. Por mais que pareça que somos gratos, devemos lembrar a nossa família que somos bem mais do que gratos por tê-los em nossas vidas.
Eu queria muito ao menos te dar um abraço no dia de hoje, mas não será possível. Não banalize o seu aniversário, é uma data super hiper mega importante sim, Viva no dia de hoje =) Parabéns e seja feliz, desejo muita saúde para você e para toda a sua família, te desejo paz, amor, paciência, sabedoria e desejo que você tenha uma vida linda, que nunca suma da minha e que sempre prefira as cervejas baratas UHSUAHSUAHUSHA', te amo moça, cuida de você por mim tá? Parabéns.

Com todo o amor que eu posso dar,
Jessica Mota

quinta-feira, 19 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 55 - Coisas à dizer

Querida N.P,

Eu estava deitada e pronta para dormir ainda agora, quando ouvi uma música que me fez pensar em algo para te escrever, só que eu não consigo lembrar o que era...
Talvez fosse algo sobre política, sobre o aumento dos impostos, ou quem sabe até sobre a mudança das posições dos astros. Óbvio que não era nada disso né, deveria ser sobre amor só para variar. Queria muito não ter esquecido, mas se não sabe, fique sabendo que a minha memória é péssima, ou disso pra pior.
Eis que agora eu não sei se continuo escrevendo ou guardo essa carta nos rascunhos. Falando nisso, sabia que têm algumas coisas que escrevo para você e nem chego a editar como post? Não porque tenho vergonha, mas são apenas pensamentos avulsos que as vezes me vêm, dai acabo por esquecê-los. Estão todos espalhados por ai, ontem mesmo escrevi algo, mas não virou carta. Penso em te dar tudo um dia, já que pertencem somente a você. Eu não tenho o direito de ficar com pensamentos que são em você e escritos que são para você. Já fiz isso outra vez, me lembro que eu havia criado um calendário com todas as datas que encontrei uma tal pessoa, e tinha também um nariz de palhaço que a me lembrava muito, coloquei tudo numa caixinha e enviei para ela. A diferença é que pra ti posso dar pessoalmente se eu quiser, na verdade é a unica maneira já que não tenho seu endereço... Preciso dormir, amanhã continuo essa carta [01:39]
[Mais tarde] Hoje eu voltei a ouvir a rádio que eu estava ouvindo ontem, em busca do que eu queria te escrever, mas como não achei... Falaremos de outra coisa.
Estive pensando, e me veio algo que nunca tinha me vindo antes, eu acho: Será que você tem alguém? Aaa... Deve ter, com toda a certeza tem, você é uma menina muito bonita e inteligente para estar sem ninguém. Você não deve satisfação à mim, mas pensei que fossemos amigas, os amigos normalmente contam quando estão envolvidos em uma relação com alguém. Tudo bem, eu entendo você não me contar, ou não. Sabe, estou à um passo de desistir do projeto, talvez a menos de um passo. [Suspiro] Talvez eu tenha me precipitado ao dizer que escrever estas cartas faz bem para mim, talvez não faça. Talvez eu tenha me precipitado ao dizer que eu não sofria, mas eu não sofro. Talvezes, Talvezes... Desapareçam e só me deixem a certeza, a certeza de que se amanhã eu não mais estiver aqui escrevendo para ela, não me arrependerei e tudo ficará bem. Certeza? Bom, como ela não apareceu eu continuo a minha escrita.

Com amor,
Jessica Mota

quarta-feira, 18 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 54 - Desculpe-me pelos erros

Querida N.P,

Notificações ZERO no facebook e lá fora um vento infernal. O que você queria fazer nesse frio? Com quem você queria estar? Não pergunte à mim porque eu não saberia responder, ou melhor, saber eu saberia, mas não quero.
O que eu quero hoje é lhe pedir desculpas pelos meus erros de português, eu sei que não escrevo bem, se você achou um texto ou outro bom, não é pelas magníficas ideias que tenho, nem pela bela composição de palavras, até porque não tenho magníficas ideias e as composições são péssimas. O único motivo de um texto e outro ficar bom é pela minha paixão pelas letras, pela minha emoção muitas vezes transportada para as palavras, de resto não tem nada de bonito. As palavras são sempre as mesmas, os assuntos se repetem e os erros estão presentes em todas as cartas, em todos os poemas. Desculpe-me. Hoje aprendi que devo colocar vírgula após o "Querida N.P" e se você notou, nas cartas antigas eu não colocava vírgula após o "Com amor". A gente vai aprendendo né, inventando algumas regras, inovando com outras, mas algumas coisas por mais que pareçam erradas, não são consideradas, por mim, erros. São usados só para impressionar de uma forma diferente, novamente me desculpe. Tentarei melhorar. Boa noite.

Com amor,
Jessica Mota

terça-feira, 17 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 53 - Auto-suficiência

Querida N.P

Eu queria ser auto-suficiente, precisar de ninguém sabe? Eu queria ser feliz só comigo e que assim fosse para sempre. Dai então eu moraria sozinha, não teria como amor idealizado nenhuma pessoa especial e mesmo assim estaria bem. Mas não deve ser possível encontrar a felicidade desse jeito, que graça iria ter? Imagina: Você em uma vida solitária na qual todos os seus dias seriam vazios. Não sei você, mas eu não aguentaria, eu preciso do amor, eu preciso de amor, preciso dar amor. E escrever é uma maneira que encontro para dar esse amor, mesmo que ninguém leia, mesmo que você não leia, eu estou aqui todos os dias transpondo o meu amor em palavras, venho aqui para acarinhar-te com minhas frases, é como um presente para você, só para você e mais ninguém. Isso ultimamente, pois antigamente eu costumava acarinhar outras pessoas com versos e prosas...
Então eu descobri que ninguém é suficiente para mim. Ninguém é merecedor de uma chance, não adianta ser bonita, legal, inteligente, simpática, não adianta gostar de mim, só adianta ser você. Nem que eu consiga tudo, nem que eu conquiste todos, sempre faltará você. Só espero que esse sempre não seja para sempre.

Com amor,
Jessica Mota

segunda-feira, 16 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 52 - Do que você gosta?

Querida N.P

Queria saber do que você gosta, sua comida predileta, seu hobby, mas você é tão fechada. Ou será que eu sou desinteressada? Acho que você é fechada mesmo. Não sei dos seus sentimentos, das suas vontades, mas porque eu deveria né?
Você gosta de vampiros? Sangue, pescoço, sedução, paixão, amor? Quem não gosta.
Como vai a faculdade? Qual a matéria que você mais gosta? E a sua família vai bem? Seus pais são legais? Qual o nome deles? Tanta coisa que eu não sei. Tanta coisa que eu queria saber...
As vezes eu tenho a impressão que todos me conhecem bem, mas que eu não conheço ninguém. Vai ver não seja só impressão, só espero que seja.
Não sei se você prefere montanha ou praia, frio ou calor, rosas ou lírios. Qual é sua música predileta? Sua comida preferida? Você prefere o dia ou a noite? O que te atrai? O que te inspira? Me diz o nome de uma mulher bonita. E de um homem? Música ou cinema? Dança ou palavras? Não sei nada.
A unica coisa que eu sei sobre você é que gostas de cerveja, não sei mais nada. Nada. Triste não? Muito. Tenha uma ótima noite e vê se depois me conta do que você gosta, não por nada, apenas para eu saber mais sobre você. Calmai, lembrei de uma coisa. O amor é louco, tão engraçado, a gente não precisa conhecer a pessoa amada, muitas vezes não precisamos de nada além de um sorriso para vermos que estamos apaixonados, as vezes só uma palavra basta, escrita ou falada não importa. A gente somente sente, não tem explicação, não se faz desaparecer. É só amor, coisa pouca manja?

Com um pouco desse amor que sinto,
Jessica Mota

domingo, 15 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 51 - Só por um dia


Querida N.P

Queria só por um dia ser você, para saber o que você pensa sobre mim, isso se pensares em mim. Pensas em mim? Acho que não, mas tudo bem eu entendo, porque pensarias né? Eu penso em você, mas deve ser por causa do projeto, talvez eu nem pensasse se este não existisse, ou sim.
Queria só por um dia te dar carinho, somente para ver se tu irias gostar, se pedirias bis. Quem sabe tu se apaixonasses pelo meu acarinhar. Quem sabe tu viesses a me amar.
Sabe, estou quase desistindo de sonhar que um dia possa vir a acontecer tudo o que eu quero no amor. Não acontecerá, nunca acontecerá e sonhar acordada não soluciona problema algum, preciso começar a agir com a razão e a lógica aqui é essa: tu não me amas, logo eu não devo te amar, ponto. Porque raios insistimos em demonstrar carinho por quem não tem o mínimo de apresso pela gente? (esse não é o seu caso é claro, sei que me amas, mesmo este sendo diferente do meu amor, mas tenho mil amores por você, então relaxa, se eu desistir de um ainda restarão 999 amores de amigo)
Queres apenas o meu amor de amiga? Darei-te apenas ele então, e nada mais...
Eu queria só por um dia pensar assim de verdade.

Com muito amor,
Jessica Mota


sábado, 14 de abril de 2012

Lágrimas rolam


Invento a minha vida irreal por não ser capaz de viver uma vida real, não quero nada, nem ninguém perto de mim, não quero amigos nem pessoa alguma tentando me fazer feliz, não preciso. O que eu quero eu tenho porque eu invento na minha mente, sorte eu ter essa imaginação toda. Se eu não tivesse ela, não teria nada.

500 cartas para ela - Dia 50 - Ai se eu...


Querida N.P

As pessoas desse mundo são muito grossas é insensíveis , então quando elas são legais eu me apaixono , acho que é isso, você deve ter sido muito legal comigo, mas perai... Deve ter algum erro nessa teoria, visto que a gente nunca conversou muito, como eu posso ter me apaixonado pela sua “legalidade”? Umm... Fazendo um balanço de todas as pessoas pelas quais me apaixonei posso ver que realmente o ponto em comum não era a “legalidade”, ou sim. Não, definitivamente não, então deve ser a sedução mesmo, eu não queria admitir, mas só pode ser isso, porém esse também não é o ponto em comum. Qual será? Ai se eu descobrisse o que todas as pessoas pelas quais eu me apaixonei têm em comum então eu saberia o segredo do meu apaixonar. Ahh... Já sei, todas as pessoas pelas quais eu me apaixonei não eram apaixonadas por mim, é isso mesmo, mas relaxa, isso não é triste, ou sim. Contudo, podemos concluir que se um dia você se apaixonar por mim e eu não mais te querer então finja que não me quer, logo será certeza que eu me apaixonarei de novo e de novo e de novo...
Ei N.P, não sei se você já sentiu isso, mas às vezes dá a impressão que em qualquer outra vida que eu vier a viver, qualquer outro lugar que eu vier a morar, em qualquer outro tempo, me apaixonarei novamente por todos que me apaixonei nessa vida, me apaixonarei por você, todos não se apaixonarão por mim e todos que se apaixonaram, e eu não retribui, sentirão novamente e novamente não será recíproco. É como uma sina, mas acontece com todos, essa é a parte boa, se fosse só comigo seria perseguição. Acontece com você? O segredo é perder o medo, parar de fugir e arriscar.
Pronto, 10% do projeto já estão concluídos, ai se eu tivesse 10% do seu amor...

Apaixonadamente,
Jessica Mota

sexta-feira, 13 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 49 - Não daria certo

Não me dê uma chance, nem duas, nem três pois não daria certo, não nos daríamos bem. Concordas comigo que é lógico que não teremos um futuro romance ardente e apaixonado? Nem sei se um futuro outro teremos... Veja, não nos vemos todos os dias, não ligamos uma para outra, eu não sei dos seus segredos, não sei nem seu endereço. Não temos assuntos em comum, felizmente temos amigos em comum e são eles que mantem nossa ligação "ligada". Triste, mas é melhor eu esquecer esse amor platônico, é melhor eu desistir do projeto, quais os motivos que tenho para continuar?

Gasto paredes pensando em você,  gasto calçadas, carros, avenidas, árvores, pessoas, gasto todas as paisagens possíveis pensando no que não foi, no que poderia ser, no que devia ter sido e no que eu quisesse que sesse. Ai sentimentos, vão se embora. Porque Platão teve que existir? Só para que eu viciasse em amores platônicos? Eles me cansam, me prendem, mas eu gosto. Que raiva, eu não deveria gostar, deveria odiar, tentar me livrar, porém prefiro sentir isso do que não sentir nada. Estou quase a banalizar meu sentimento por ti, me desculpe, mas se não esse qual outro motivo eu teria para continuar a te escrever? Meu sentimento me apoia. E se seres humanos por ai têm as próprias pessoas como base, eu não tenho, tenho meus sentimentos como base, quem precisa da razão? Meu sentimento é lindo.

Como eu dizia... Não daria certo, tem tudo ou quase tudo para dar errado. Se bem que... Eu posso ser uma ótima companhia em noites frias ou quentes, em manhãs nubladas, em tardes ensolaradas. Sei fazer café e ele nunca fica muito doce ou amargo, mas é sempre forte. Tudo bem que eu não tenho um emprego nem uma casa, contudo tenho um grande futuro pela frente. Dai paro e me lembro que a sociedade é heterossexual e homofóbica, então todos os meus planos se vão, a perfeição que eu via se desfaz e as palavras bonitas me somem da mente...
E quem é que tem medo do lobo mau? Vivo nesse mundo pelas emoções que a vivência me trás e se for para não ser difícil, prefiro que seja coisa alguma a preferir que seja fácil. Mas então, daria certo sim, rs.

Com a mais confusa paixão,
Jessica Mota

quinta-feira, 12 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 48 - É realmente muita coisa se fosse para qualquer pessoa, mas...

Querida N.P

... Como é para você, ainda é pouco.

Quarenta e oito cartas, umas com mais paixão, outras com mais amizade, mas todas com amor. Será que você merece tudo isso? Com certeza merece mais, conheço alguém que concordaria comigo, alguém que te deu muito, alguém que sabia e sabe o quanto você é especial. Me sinto envergonhada por falar dessa pessoa nesse projeto, deveria sentir-me? Como não estou falando mentiras acho que não deveria. Essa pessoa te deu tudo de melhor que ela poderia te dar e você deu para ela enquanto pode, não sei porque estou falando isso, aaa porque o assunto da carta é o quanto você merece mais. Longe de mim dizer que você merece mais do que ela, muito pelo contrário, ela estava no ponto do seu merecimento. Mas já que toquei no assunto, acho que ela é o único motivo que me faz achar esse sentimento errado e indigno de ser vivido. Aiai, mas eu concordo que 48 cartas são muitas cartas, quantas palavras eu já devo ter escrito pra você? Várias né? E saiba que até as piores foram com amor, por mais que não tenham sido de coração.
As vezes eu acho que o nome do projeto é: 500 tentativas de te conquistá-la, rs, seria no mínimo engraçado se fosse né? Mas vez e outra eu aparento escrever como se fossem realmente tentativas, flechas ao alvo as quais eu acerto algumas e erro a maioria, mas a minha intenção não é acertar, só quero me aproximar, necessito ficar próxima ao alvo, agora o porque não te interessa saber, não por hora, mas está óbvio.
Sabe... Eu queria te mandar uma carta ou outra por correspondência, mas não sei o seu endereço. Imagina que lindo se você recebesse uma carta e uma rosa vermelha? Não sei se seria adequado, só acho injusto você não poder chegar na sua mãe, quando ela perguntar quem mandou, dizendo que foi uma amiga sua que é apaixonada por você, certo que você pode até dizer( o que não fará ) mas a reação dela não será boa, ela não reagiria assim como se fosse um homem ao te dar. Eu nunca quis ser um homem, mas fico pensando no que mudaria se eu tivesse nascido com esse sexo, será que eu teria mais chance? Não sei porque, mas acho que sim (suspiro). A flor fica como promessa, mandarei. E será no dia mais especial ou num dos... Ah! Me passa o seu endereço? Fiquemos assim, se você me passar eu envio e se você não me passar eu descubro, rs. Boa Noite.

Com amor,
Jessica Mota

quarta-feira, 11 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 47 - A pessoa certa

Querida N.P

Como saber quem é a pessoa certa? Porque eu não posso ser a sua pessoa certa? Você é a pessoa certa para mim. Eu queria ter o controle disso e sei que você queria ter também. Mas não seria bem mais fácil se não pensássemos em nada? Se só tentássemos ser felizes com quem nos ama e tentássemos retribuir na medida do possível? Você não sabe se pode retribuir ao meu sentimento, até porque nunca tentou. Você nunca me deu se quer um beijo para ver se sente algo. Você nunca ficou a um centímetro de distância da minha boca para ver se resisti, bom... Talvez você tenha ficado, talvez até tenha resistido, mas isso foi ontem, que tal tentar hoje? Com direito a mãos e olhares, dai você me diz se não sentes nada. E se não sentires, te deixo em paz, sem nenhuma obrigação de entrar nesse blog todos os dias para ler sobre o que uma garota boba sente por você, uma garota que tem medo de arriscar, uma garota que só quer dar chance ao amor se ela estiver sentindo em primeiro lugar, uma garota que fala sobre ter chances, mas que não dá chance de ninguém fazê-la feliz, ela só quer dar a chance à você, aceitas?

Com amor,
Jessica Mota

terça-feira, 10 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 46 - Quando te vejo

Querida N.P

Hoje na aula de biologia o meu professor estava falando sobre as angiospermas e disse que N.P significava Núcleo Polar, eu ri tanto, ele nem sabe o que significa é quer ensinar. kkkkk. Parei.

Ei, sabia que te ver me da forças para continuar o projeto? Pois é, me sinto renovada, os assuntos voltam, a paixão se fortalece e isso faz com que as minhas palavras saiam mais naturalmente, escrevo no ônibus, escrevo na rua, depois de te ver qualquer coisa me traz a inspiração, tudo é inspirador. É tanta coisa para escrever, é tanta coisa para dizer que tudo isso acaba sendo nada, de tanta coisa que é, acaba sendo muito para a possibilidade do ser externado. Chega a ser sufocante, ideias me vêm em momento inoportunos, as vezes acabo as perdendo, outras vezes anoto o pensamento em algum canto do caderno e nunca mais o vejo, mas na maioria dos instantes os pensamentos apaixonados e filosóficos aparecem e eu viajo neles, sonho acordada e depois simplesmente esqueço de tudo que eu havia pensado, confesso que assim fica difícil. Espero que esse meu déficit de atenção se amenize para que as minhas cartas futuras sejam melhores, enquanto isso não acontece, tomara que você esteja satisfeita com estas. Tenha uma ótima noite e durma bem.

Com amor,
Jessica Mota

Mande notícias do SEU mundo

Encontros e Despedidas

Aquele momento melancólico quando uma música diz aquilo que você quer expressar.


Mande notícias do mundo de lá
Diz quem fica
Me dê um abraço, venha me apertar
Tô chegando
Coisa que gosto é poder partir
Sem ter planos
Melhor ainda é poder voltar
Quando quero
Todos os dias é um vai-e-vem
A vida se repete na estação
Tem gente que chega pra ficar
Tem gente que vai pra nunca mais
Tem gente que vem e quer voltar
Tem gente que vai e quer ficar
Tem gente que veio só olhar
Tem gente a sorrir e a chorar
E assim, chegar e partir
São só dois lados
Da mesma viagem
O trem que chega
É o mesmo trem da partida
A hora do encontro
É também de despedida
A plataforma dessa estação
É a vida desse meu lugar
É a vida desse meu lugar
É a vida

Então mande notícias do seu mundo...
tchau.
João Gustavo

segunda-feira, 9 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 45 - Entre ser feliz e te fazer ser

Querida N.P

É um quebra-cabeça pensar no ser feliz e no te fazer ser, até porque existem várias possibilidades. Viaja comigo um pouco. Para que eu seja feliz existem duas, eu posso ser feliz ao seu lado, ou apenas encontrar a minha felicidade de outro modo, já te fazer ser, é um pouco diferente, pois não é preciso que você seja necessariamente feliz comigo, mas eu preciso te encaminhar para a felicidade seja ela qual for, seja com quem for. Que loucura cara, preciso parar com as drogas, mas a conclusão eu acho que tu entendeu. Tu serás feliz...

Bom, voltando ao escolher, pela lógica a escolha certa deveria ser a de ser feliz, já que sei que não tenho a mínima chance de ter uma chance para te fazer feliz, logo escolho ver a sua felicidade. Mas relaxa, eu sei que um dia serei feliz mesmo sem ter você. Aliás eu sou feliz, e ao mesmo tempo que eu me vejo feliz ao seu lado, eu não consigo enxergar isso. É como se essa realidade não existisse, e não existe, em nenhum dos níveis da minha imaginação, parece até impossível, como se todos os astros e todas as forças existentes lutassem para que você seja uma carga positiva e eu também. Mas eles nunca conseguirão fazer isso, você está muito longe de me repelir, você me atrai, te quero perto.
Muito perto, quem sabe um dia né? Ou não.

Com amor,
Jessica Mota

domingo, 8 de abril de 2012

Triste mesmo é...

... quando alguém que eu conheço passa a ser quem eu conhecia.

Sem mais.

João

500 carta para ela - 44 - Minhas duas Pessoas

Querida N.P

Na noite de ontem eu estava conversando com uma amiga minha, dai falei sobre o projeto e então ela começou a ler as cartas e amou. Logo me veio a ideia de ler a carta número 4, pois ela estava lendo e disse que eu falava sobre como te conheci, eu já nem lembrava mais o que eu tinha escrito, então li a carta e fiquei com vergonha de você ter lido aquilo. No começo do projeto eu não pensava em te mostrar meus escritos, e se eu tivesse lido todas as cartas antes de falar para você sobre elas, não teria dito.
Acho que eu mudei muito a minha escrita depois que você começou a ler, as primeiras cartas tinham mais sentimento, mas é até lógico visto que eu escrevia sem imaginar você lendo, logo o meu amor não tinha fronteiras, é como se ele fosse infinito, mas agora você lê, então é limitado. O limite é o seu não querer, porém este não me desmotiva e não são em todas as cartas que eu lembro que tu lês, na maioria eu acho que esqueço, ainda bem...
E sobre a paixão em cada carta, se você chorou nas primeiras é porque elas são mais densas. As de hoje não devem ser tão boas quanto as de ontem, mas tenho as minhas preferidas. Só espero que você não enjoe de lê-las, me sinto, por vezes, incapacitada de escrever para ti. Contudo, eu tento e insisto. Confesso que as vezes penso: Do que vai adiantar todo esse esforço? Ela lê, ela sabe, ela chora e... e só. Eu não escrevo para te fazer chorar, não quero que se sinta mal, eu só quero manter esse contato com você. Um contato sublime, como se a pessoa que escreve não seja eu, não fosse eu. Dai pra quando tu me ver, achar que não é a mesma pessoa, pois a pessoa que te escreve não é realmente a pessoa que você nos bares. Quem te escreve não se importa com o seu não querer, não se afeta, não desiste do amor, mas a pessoa que você vê se pergunta porque não. As vezes as duas se unem para escrever, as vezes se unem para te ver. A pessoa que você vê, é de todos, mas a pessoa que te escreve não é pessoa de mais ninguém, é só sua, está só para você.

Com amor,
Jessica Mota

sábado, 7 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 43 - 1001 ideias

Querida N.P

Hoje, vindo do bar para a minha casa pensei em muitas coisas para lhe escrever, pena que todos esses pensamentos só poderão ser usados em uma unica carta, pois mesmo se eu formatasse essas ideias em  tópicos e as salvasse no word, amanhã eu já não conseguiria desenvolver a dissertação que desenvolvi hoje em minha mente. Então escreverei o que me vir das coisas que pensei, porque muitas já se perderam na viagem de lá à cá.

E realmente a sua companhia no bar fez com que todos dessem um gole a mais na cerveja. Sempre dão, eu sempre dou. E sobre a sua altura... Foi um momento estranho, nem eu sei o que sentir pensando no que eu disse. Talvez eu que tenha crescido um pouco, por isso notei que você não estava mais tão alta. Tudo bem, concordo com você, o jeito que eu disse pareceu até que a imagem da Musa vista por mim em você, tinha sido destruída. Mas não, não pode ter sido. Não foi. A paixão pode acabar um dia, mas o meu amor será eterno. Sempre é. Porém eu confesso: Não me vejo olhando em seus olhos sem sentir o que ainda sinto, sem vê-los como ainda vejo. Eu os vejo hipnotizantes, como se fossem os olhos da Capitu, mas diferentes por não ser ela, e mais apaixonantes por ser você. Essa passagem do livro: Dom casmurro. Resume bem o que o seu olhar me passa e o que estar com você me faz sentir:

"Olhos de ressaca? Vá, de ressaca. É o que me dá ideia daquela feição nova. Traziam não sei que fluido misterioso e energético, uma força que arrastava para dentro, como a vaga que se retira na praia, nos dias de ressaca. Para não ser arrasado, agarrei-me às outras partes vizinhas, às orelhas, aos braços, aos cabelos espalhados pelos ombros; mas tão depressa buscava as pupilas, a onda que saía delas vinha crescendo, cava e escura, ameaçando envolver-me, puxar-me e tragar-me."… em vós me ficou a melhor parte da crise, a sensação de um gozo novo, que me envolvia em mim mesmo, e logo me dispersava, e me trazia arrepios, e me derramava não sei que bálsamo interior. Às vezes dava por mim, sorrindo, um ar de riso de satisfação, que desmentia a abominação do meu pecado.


Aiai, o Machado sabia muito sobre a vida, poderia ter me deixado alguns ensinamentos sobre amor... Mas já que não deixou, mudemos de assunto.


Como sou sortuda, como tenho sorte de poder conversar contigo sobre o projeto. Existe uma pessoa e outra, as quais você não conhece, que sabem sobre as cartas, mas nunca converso com ninguém sobre elas. Então converso com você e vejo um sol em meio a tantas nuvens, quase vejo dois sóis. Aliás, eu poderia ficar conversando contigo por várias noites, pediria a Deus por dias seguidos para que você não precisasse atravessar aquela rua e para que a escuridão não terminasse. Eu poderia sentar ali naquele chão mesmo, e ficar conversando contigo, olhando para você, ouvindo os seus dizeres e filosofando sobre os meus sentimentos. Quem sabe então eu viesse a conseguir te impressionar né? Quem sabe então você viesse a se apaixonar...
Pois bem, hoje prezo bem mais ouvir o tom das suas palavras do que matar a vontade de sentir o gosto dos seus lábios, o mais legal é que sou feliz por isso. Sou feliz por olhar em seus olhos brilhantes e poder conversar contigo sobre o meu amor, sem nenhuma vergonha. Por que eu sentiria vergonha? Eu sinto vergonha de falar sobre coisas que não sei explicar direito, mas sobre o meu amor sou muito segura, a segurança e a certeza flui em cada palavra, antes mesmo de cada uma ser cantada. A minha verdade está no meu olhar, no meu querer dizer. Me sinto muito bem ao conversar com você. Me sinto privilegiada. Pensa comigo: Quantas pessoas amam e não dizem? Quantas pessoas dizem para poder esquecer? Eu não disse que te amo (acho), mas contei sobre o meu amor e não foi para te esquecer, foi para lembrar que mesmo não podendo te ter, eu minimamente tentei, eu indiretamente tentei. Me sinto infinitamente bem por isso, mas não é o fim. Calma, não se termina algo que nem ao menos começou. Por mais que eu não acredite na conquista, ela acontece, ainda tenho 457 cartas para te fazer viciar em minhas palavras, não que seja isso que eu queira, mas quem disse que eu não mais quero matar a vontade do seu beijar?


Com amor,
Jessica Mota

sexta-feira, 6 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 42 - Do que ela me disse para escrever

Querida N.P

Hoje conversando com uma amiga minha, disse à ela: Fale um título para eu colocar na minha carta, então ela disse: Ainda estou nessa vida.
Um título bom e sugestivo, pois do jeito que ela falou parece até que é um peso para mim, escrever essas cartas e não é. O difícil é ter bons assuntos todos os dias, ter inspiração todos os dias, é realmente MUITO difícil escrever todos os dias, confesso que estou super perdida com essas cartas, não sei se estou em dia, mas acho que estou. Já não falo mais de amor, mas felizmente ainda consigo sentir paixão nas palavras, só espero que depois de 40 cartas você também ainda sinta, isso se por a caso chegou a sentir em alguma delas. É N.P, ainda estou nessa vida de escrever para você e não me arrependo da escolha que fiz, muito pelo contrário, se eu tivesse que escolher uma musa novamente, ainda escolheria você.

Com amor,
Jessica Mota

quinta-feira, 5 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 41 - De tudo que me vem, agora

Cara N.P

Ontem um amigo nosso me perguntou qual termo eu preferia: gay, lésbica ou sapatão. Bom, eu disse que tanto fazia, mas acho o termo gay um pouco mais fofo do que os outros, embora todos sejam bons termos na minha opinião, o que pega mesmo é o jeito que cada pessoa fala, você não concorda? Por exemplo, eu tenho primos que me chamam de sapatão de um modo super hiper carinhoso, por mais chulo que possa parecer, em contra partida existem pessoas que falam a palavra lésbica com um super medo de agredir o ouvinte, ou com um super ar de descaso, o que me deixa imensamente com raiva (consegue me imaginar com raiva? Espero que sim, é que muitos não conseguem).
Não devemos ter medo de usar as palavras quando sabemos seu verdadeiro significado, tudo bem que quase nunca a gente sabe, mas...
Aliás, sabe algo que eu acho engraçado? Note:

- Se você me chamar de lésbica, eu não vou dizer que isso é mentira, mas eu também nunca te disse que isso é verdade.

Entende?

Conversando com esse nosso amigo em comum, ele me disse achar que tu és lésbica, eu discordei, disse que tu ainda encontraria o homem da sua vida. Ei N.P, é estranho ou te incomoda saber que falam sobre você? Depois tu me responde.

Por hoje é isso, só uma conversa em forma de desabafo, boa noite e durma bem.

Da menina apaixonada,
Jessica Mota


quarta-feira, 4 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 40 - O bar sem você

Querida N.P

Hoje estávamos no bar, mas você não estava lá. Não arrisco dizer que se você tivesse ido, o bar teria sido mais legal, mas com toda a certeza seria mais bonito e mais interessante.
A sua companhia com um ar de brilhante, faria com que todos dessem um gole a mais na cerveja.

Com amor,
Jessica Mota

terça-feira, 3 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 39 - Se eu acredito em duendes?

Querida N.P

Eu sei que duendes não existem, mas eu acredito neles. Assim como eu sei que o seu amor por mim não existe e mesmo assim continuo acreditando. Nossa que dramático né? Minhas irmã achou forever alone kkk, mas eu não ligo. Já dizia o meu amigo Vinícius "O amor é ridículo, por isso é bonito". Pode não fazer tanto sentido se compararmos com outras coisas, mas com o amor funciona.

Com amor,
Jessica Mota

segunda-feira, 2 de abril de 2012

O que o ser humano quer?

Se a gente ama é amor demais, se a gente cuida é carinho demais, se a gente se preocupa é carência demais, se a gente pergunta, estamos querendo saber demais, mas se a gente não pergunta não nos preocupamos, se a gente não cuida não sabemos dar carinho, se a gente não diz eu te amo, somos frios demais, o que essa raça desgraçada quer?

Você gosta de quem não tá nem ai pra você, porque se a pessoa te liga você não dá o mínimo de valor que ela merece. Se ela liga pra você, cuida de você, você não está nem ai para a porra da pessoa. Cara, se liga. Você não é obrigado a forçar nada, tu não é obrigado a ser infeliz, mas tenta. Tenta ser feliz com quem te quer bem, o queira bem também. Pensa na vida, pensa nas voltas que o mundo dá. Tu sofrerás o tanto ou mais do que quem tu faz sofrer.

Este texto não é uma indireta e nem é baseado em fatos reais. É apenas uma mensagem destinada a mim.


Jessica Mota

500 cartas para ela - Dia 38 - O tempo

Querida N.P

As cartas estão passando cada dia mais rapidamente e a cada dia que passa eu penso que a carta que virei a escrever será de número anterior à aquela que de fato escrevo.
Não sei se isso é bom ou ruim. Escrever estas cartas já virou um vício para mim, chego em casa e a primeira coisa que faço é ligar o computador para escrevê-las ou transcrevê-las quando é o caso. Sinto que amanhã já acaba tudo isso, consigo ver o dia que chegarei em casa e não mais as escreverei. Já preparei uma surpresa para o último dia, o engraçado é que se eu não conseguir chegar à 500ª carta, não sei o que farei com a surpresa. Espero chegar.
Por mais que eu saiba que você já leu algumas cartas, as vezes fico me perguntando se você ainda lê as que a cada novo dia estão por aqui ou se somente as copia para ler num futuro que nunca chegará. Espero que esteja lendo nesse passado que se torna presente e futuro a cada andar do ponteiro dos segundos.

O tempo passa, os sentimentos passam, mas a amizade se verdadeira sempre permanece e mais do que isso, se fortalece. Amo você.


De uma menina boba que mais parece do que é,
Jessica Mota

domingo, 1 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 37 - Da saudade que virei a sentir

Querida N.P

Hoje vindo do CCJ para a minha casa, pensei em você, pensei na saudade... Então cheguei à conclusão de que eu não sentirei saudade de você, pois sei que você nunca sairá da minha vida, mas sentirei falta da paixão que senti.

Talvez eu já tenha dito isso em outras cartas, mas como pensei nisso novamente, resolvi escrever.

De quem te gosta,
Jessica Mota