quinta-feira, 19 de abril de 2012

500 cartas para ela - Dia 55 - Coisas à dizer

Querida N.P,

Eu estava deitada e pronta para dormir ainda agora, quando ouvi uma música que me fez pensar em algo para te escrever, só que eu não consigo lembrar o que era...
Talvez fosse algo sobre política, sobre o aumento dos impostos, ou quem sabe até sobre a mudança das posições dos astros. Óbvio que não era nada disso né, deveria ser sobre amor só para variar. Queria muito não ter esquecido, mas se não sabe, fique sabendo que a minha memória é péssima, ou disso pra pior.
Eis que agora eu não sei se continuo escrevendo ou guardo essa carta nos rascunhos. Falando nisso, sabia que têm algumas coisas que escrevo para você e nem chego a editar como post? Não porque tenho vergonha, mas são apenas pensamentos avulsos que as vezes me vêm, dai acabo por esquecê-los. Estão todos espalhados por ai, ontem mesmo escrevi algo, mas não virou carta. Penso em te dar tudo um dia, já que pertencem somente a você. Eu não tenho o direito de ficar com pensamentos que são em você e escritos que são para você. Já fiz isso outra vez, me lembro que eu havia criado um calendário com todas as datas que encontrei uma tal pessoa, e tinha também um nariz de palhaço que a me lembrava muito, coloquei tudo numa caixinha e enviei para ela. A diferença é que pra ti posso dar pessoalmente se eu quiser, na verdade é a unica maneira já que não tenho seu endereço... Preciso dormir, amanhã continuo essa carta [01:39]
[Mais tarde] Hoje eu voltei a ouvir a rádio que eu estava ouvindo ontem, em busca do que eu queria te escrever, mas como não achei... Falaremos de outra coisa.
Estive pensando, e me veio algo que nunca tinha me vindo antes, eu acho: Será que você tem alguém? Aaa... Deve ter, com toda a certeza tem, você é uma menina muito bonita e inteligente para estar sem ninguém. Você não deve satisfação à mim, mas pensei que fossemos amigas, os amigos normalmente contam quando estão envolvidos em uma relação com alguém. Tudo bem, eu entendo você não me contar, ou não. Sabe, estou à um passo de desistir do projeto, talvez a menos de um passo. [Suspiro] Talvez eu tenha me precipitado ao dizer que escrever estas cartas faz bem para mim, talvez não faça. Talvez eu tenha me precipitado ao dizer que eu não sofria, mas eu não sofro. Talvezes, Talvezes... Desapareçam e só me deixem a certeza, a certeza de que se amanhã eu não mais estiver aqui escrevendo para ela, não me arrependerei e tudo ficará bem. Certeza? Bom, como ela não apareceu eu continuo a minha escrita.

Com amor,
Jessica Mota

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos gratos pelo seu comentário, comente sempre, isso nos ajuda a saber nosso progresso na escrita.

Obrigado