quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

As estrelas brilham diferente hoje à noite
Todas muito silenciosas, tão sozinhas
A lua ilumina esse chão apático essa noite
Nenhuma sombra a vista
Um reino de silêncio, e parece que sou o rei

É engraçado como o silêncio faz nossos pensamentos parecerem mais claros
E as lembranças que me incomodavam não parecem mais assustadoras
Aqui no escuro da noite, eu consigo respirar
Eu poderia chamar a luz, mas eu quero ficar mais um pouco

Eu me vou
O silêncio nunca me incomodou mesmo

Ficando quieto, fazendo minhas escolhas
O passado fica para trás
Enterrado no silêncio.

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

O diário de um banana

Ontem eu bati o record.

Nunca tive tantos pensamentos na minha cabeça na mesma hora!
Ontem a pauta da minha mente foi as pessoas que me rodeiam, as pessoas que fazem parte da minha vida.
Minha família SEMPRE esta do meu lado, não importa o que eu faça, essa conclusão eu sempre tive, sou feliz por isso.

Meus amigos... As vezes colocamos grandes expectativas nas pessoas e depois percebemos que grandes são apenas as expectativas mesmo. Alguns papéis se inverteram tanto que me fizeram pensar: estou depositando meus sentimentos nas pessoas certas? quem os merece?
Não que o que sinto seja algum prêmio, algum troféu para pessoas abençoadas... não! Meus sentimentos são meus e para mim são valiosos demais para eu gastar a toa.

Ontem descobri uma mentira tão pequena, tão sem importância, tão inútil, tão "relevavel", mas me chateou de uma forma gigante. Então conclui o seguinte: Quanto maior é a intensidade do que sentimos, maior se torna nossa capacidade de se aborrecer com os fatos, por mais insignificantes que sejam. Fiquei de fato muito triste.

Quando se pega uma folha de papel e se amassa... ela fica toda comprimida, toda estraçalhada... você pode desamassa-la sim... mas as marcas do estraçalhamento continuam nela, mas marcas que ficaram depois que você amassou não desaparecem. É eu me senti uma folha de papel amassada por mãos amigas.

Dormi com um pesar enorme... mas quando acordei, havia uma mensagem no meu celular de uma amiga tão querida, que sei que jamais faria algo parecido com o que aconteceu comigo, muito pelo contrario, ela jamais esquece de mim, onde quer que ela vá e me senti enormemente grato por ter a amizade dela. Mais tarde quando abri minha caixa de e-mail havia um e-mail de uma pessoa que mal conheci me estendendo a mão, de forma a me ajudar como poucas pessoas já fizeram por mim.

A vida é uma faca de dois gumes. Uma mão te tira algumas coisas, mas outra te dá coisas para que você não perca as esperanças.

Obrigado Deus, por me trazer pessoas boas quando eu perco a fé em outras.

João Gustavo.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

O diário de uma banana - Paranóia

Será que ninguém jamais vai me entender nessa vida?
Eu acho que não. Noite passada mal consegui dormir por ficar pensando na minha vida e nas pessoas que fazem parte dela.
Para que? É mais fácil deixar tudo acontecer naturalmente.
Mas eu sou um daqueles melodramáticos idiotas, neurótico até a última gota de sangue, então tenho que refletir cada palavra que sai da minha boca e cada coisa que minhas mãos vão fazer.
Pensei que eu deveria ir no psicólogo para analisar meus pensamentos, mas ele diria que é falta de namoro. Então fui direto ao ponto, então ela disse que reclamo de tudo e sou um chato.
As vezes eu me dou sustos, as vezes penso em coisas até a cabeça doer, acho que estou pirando...

uaysuy oasjs lsja yhu yhu yeha yaha!


João Augusto, digo, Gustavo.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Parabéns Blog Ecúmeno!

Parabéns blog ecúmeno pelos seus 04 anos de idade e muito obrigado por me servir de refúgio quando todas as orelhas físicas não me bastavam! Obrigado por ser tão paciente e ouvir tantos dos meus pensamentos mais loucos! Feliz aniversário!

João Gustavo.


segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

O diário de um banana - Tormenta de pensamentos!

E agora???

Quando seus pensamentos entram em contradição dentro da sua própria cabeça?
Há dias atrás eu havia brigado com o destino e dito a ele não acreditava mais nele.

Sempre ouvi dizer "o que tiver que ser, será", "as coisas que são suas estão guardadas para o futuro", "há males que vem para bem".
A vida me fez crer que "o que tiver que ser, talvez seja", "o seu futuro é incerto, e se ele é incerto, mais ainda são as suas coisas guardadas nele", "há males que vem para males e bens que vem para bens".

Começo a imaginar a vida e o destino em formas humanas brigando um com o outro para ver quem tem razão.

O que aconteceu...? Fiz uma tentativa, onde existia 99% de chance de dar errado e 1% de chance de dar certo. Não é exagero, é a real estatística.
Pois bem, caí em 1%.
Vida, me desculpe... mas dessa vez o destino teve argumentos mais convincentes.



att

João

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

O diário de um banana - Destino quem?

Muitas coisas tem se esvanecido de mim... é como se eu fosse um réptil qualquer e estivesse trocando de pele, como se cada coisa que esvanece fosse um tiquinho de energia vazando pelas pontas dos meus dedos. Estou mudando. A mudança pela qual estou passando às vezes me assusta, estou me tornando cético. Não da pra acreditar mais nas coisas sem provas. Não faço mais ondas de pensamentos para conseguir as coisas, não acredito mais em certas simpatias, esse ano nem escrevi minha tradicional cartinha de acontecimentos ruins para queima-la na hora da virada de ano. Porque? Não acredito. Ou não consiga mais acreditar. Eu acho que era mais feliz quando eu acreditava nessas coisas de "energia do universo". Acho que nem mais em destino eu acredito. Ultimamente essa coisa de destino tem parecido tão ridícula pra mim. Ultimamente parece que tudo o que acontece é resultado única e exclusivamente do meu esforço, sem um pingo de energia universal no meio disso tudo. Não, não estou infeliz. Estou apenas cético demais. As vezes ser cético demais pode parecer um pouco pessimista. Pessimismo é outra coisa que não me considero, sou realista. Porque estou me tornando assim? Ainda me lembro de como era quando eu acreditava no destino, como eu achava que a vida fazia certas coisas acontecerem ou colocava pessoas certas na minha... por algum motivo especial. A vida colocou pessoas boas em minha vida e algumas delas ela tirou tão rápido como pôs. Desejei tão intensamente certas coisas, do fundo do meu coração e elas simplesmente não acontecerem e nem sequer deram sinal que poderiam acontecer. Talvez seja isso. Destino, você só me decepciona. O que você faz com um amigo que te decepciona? Não acredita mais nele. Não acredito mais em você e agora estou a mercê da vida... A mercê do desconhecido. Bem... quando eu ainda acreditava em você eu conseguia pelo menos ser menos realista.

Att.

João.