quarta-feira, 5 de março de 2014

O diário de um banana - Mix

Essa coisa de escrever um diário online tem sido algo muito legal pra mim.
Ainda mais porque isso aqui ta literalmente um diário, porque ninguém lê.

Ultimamente eu quero muito escrever. Como disse Anne Frank também em seu diário: "o papel tem mais paciência que as pessoas". Nesse caso isso não é um papel. Então esse blog tem mais paciência que as pessoas.
Voltando ao assunto, quero muito escrever pois ando sentindo tanta coisa que parece que sinto alívio de tudo isso escrevendo. Estou sentindo um misto de coisas boas com coisas não tão boas. É um sentimento que tem me tirado o sono.
Parece que minha vida muda a cada dia, as coisas estão acontecendo muito rápido... minha vida esta passando e por um momento me vejo projetado em meus heróis, aqueles mesmos heróis que de tempos em tempos eu mato, depois os ressuscito.
Mas ao mesmo tempo eu lembro que corro o sério risco de não ser como meus heróis. Esses dias li um trecho de uma citação de um filme que dizia que nosso maior medo não era o fracasso e sim nossa capacidade de sermos tão grandes quanto pudermos ser. Hoje eu discordo... meu maior medo é sim meu fracasso, e por vezes não acredito que eu tenha responsabilidade suficiente para ser tão grande. Apesar de sim, querer ser bem grande.
Mas voltando a fala daquele sentimento... aquele misto de coisas. Seria um misto de:

- Amor platônico: Pensei que me livraria disso e que isso foi só uma frescurite dos meus 16 anos. É, eu ainda sinto e cada vez que ele vem, vem de uma forma mais sufocante que a anterior.
- Medo: Estou dando novos passos em minha vida e finalmente vou descobrir se tenho o dom para praticar a profissão que escolhi pra mim
- Confusão: Eu tenho a péssima mania de construir meus muros ao redor de coisas momentâneas... e quando preciso sair dali, fico preso dentro de meus próprios muros
- Apego: Uma droga mesmo é se apegar a pessoas que você desde o início sabia que um dia iriam partir da sua vida. Meu maior problema é sempre querer fazer amizade com quem vale a pena. Mas até quem vale a pena diz adeus.

Enfim......... levando em conta todos esses sentimentos... se eu pudesse expressa-los em palavras, para que eles finalmente saíssem de mim, eu diria:
Um eu te amo sincero para aquela pessoa que faz parte do meu último pensamento a noite.
Um eu sou feliz independentemente do que o destino me reservar para o futuro.
Um eu volto logo para tudo aquilo que ficou atras dos muros que levantei... mas no futuro eu acabo percebendo que gastei meus tijolos à toa.
Um adeus, quando for necessário.

João.

terça-feira, 4 de março de 2014

Kate Nash - 3 am

O diário de um banana - Penso, logo não chego a nenhuma conclusão.

Neste momento eu estou pensando em você.
Você esta em minha mente, em uma imagem parada, como se eu tivesse dado um pause em um filme.
Saio na varanda mais alta de minha casa e olho a cidade lá embaixo. Fiz isso pela manha... e a noite. Nas duas vezes pensei a mesma coisa: O que você estaria fazendo naquele exato instante? Estaria pensando em mim? Se não, andou pensando em mim? Se não, o que você estaria fazendo, em quem andou pensando?
Nos últimos dias uma das coisas que eu mais quis era estar com você, conversar com você, ou simplesmente saber que você pensou em mim em algum momento.
Fiquei ligeiramente triste pela frieza com que você me tratou na última vez em que nos falamos. Bem, com aquela frieza eu já sei que a resposta para as perguntas que fiz acima é "não".
Fui apenas mais um nômade em sua vida, eu já sabia. Algumas coisas fogem de nosso controle. Se eu pudesse controlar, é claro... eu faria tantas coisas... eu faria com que você precisasse de mim. Faria com que sem mim você sofresse tudo o que sofri. Faria com que sem mim você passasse todas as noites sem dormir pensando em mim. Faria com que eu fosse o último pensamento em sua cabeça antes de dormir. Mas isso seria muito artificial, pois seria algo comandado por mim, anti natural. E se a natureza não colabora para que tudo isso aconteça naturalmente, ou melhor, já que a natureza fez tudo isso acontecer unilateralmente comigo... tenho apenas que me conformar.

Caro derradeiro e raro leitor, se não entender esta página do diário, leia outra publicação qualquer. Hoje decidi escrever exatamente o que sinto, e como nem eu entendo isso as vezes, quem dirá você.

João.