domingo, 4 de maio de 2014

O diário de um banana

Já perdi a conta de quantas vezes abri esse blog, visitado apenas por mim, loguei e tentei fazer uma postagem sobre você.

A música que toca agora na minha playlist é "never give up" do new found glory. Uma das minhas preferidas. "Never give up" significa "nunca desista". Mas no meio da música há o seguinte trecho: "I can't waste a second on dreams that will never begin" - "Não posso gastar tempo em sonhos que nunca vão começar".
É assim que me sinto com você. Eu não quero mais gostar de você. E eu tento... evito falar com você, fujo de você... mas você vem atrás de mim e me questiono se isso é puramente uma tentativa de amizade. Que eu creio que nem isso seja, porque eu já me cansei de responder sobre questões da minha vida profissional (que não são coisas interessantes), e já fiz muito esforço para tentar derrubar toda e qualquer barreira de formalidade entre nós. Mas acho que a formalidade e você são uma coisa só, apenas... uma personalidade perfeita e totalmente sedutora emaranhada e fundida em litros de formalidade. Fico imaginando se toda essa formalidade se deve ao fato de você ter me conhecido em um momento MEU de formalidade. 
Olha, me desculpe... mas eu falo gírias e palavrões também. Mano, mew, porra, merda, puta que pariu. Viu?
Queria um dia poder me sentar de frente para você e apenas te observar... e prestar a atenção nos detalhes que ainda não conheço em você. Será que todo esse sentimento platônico ainda continuaria? Se eu pudesse te explorar mais profundamente? Você não sabe muito de mim, mas mesmo assim sabe mais do que sei de você e isso me deixa em desvantagem.
Você é ciente do que me faz sentir? Sei que não sou do tipo invisível pra você pois senão não estaríamos trocando "Vossas Senhorias" por aí.
Porque eu deveria me importar?
Gostamos de alguém que não pode corresponder nosso amor porque é possível sobreviver ao amor não correspondido de uma maneira que é impossível no caso do amor correspondido.
Viva o masoquismo!

Para você, que não vai ler,

att

João.